Chat Feminino
Saúde

O que eu aprendi com a reeducação alimentar (até agora)

Eu tento muito não ser monotemática e falar somente sobre a minha reeducação alimentar por aqui, mas o desafio que eu estava participando terminou (tinha um blog pra falar só sobre isso), então o conteúdo vem pra cá. Esse blog reflete muito da minha vida e a RA é grande parte dela, nada mais justo que conteúdo aqui que fale sobre isso né?

O que eu aprendi com a reeducação alimentar

Foto: Shutterstock

 

Já adianto que não estou aqui pra catequizar ninguém, nem julgar ninguém. Cada um é dono de suas escolhas e faz o que quiser da vida. Tá feliz e quer continuar tomando coca cola todo dia? Vai lá amiga. Quer comer salada? Come. Quer dormir o dia inteiro? Dorme. Só não pode reclamar das consequência depois. Esse foi um dos maiores aprendizados que tive nesses sete meses de “dieta”: somos responsáveis e devemos arcar com as consequências das nossas escolhas. Não adianta reclamar que está acima do peso sem fazer nada pra mudar isso. 

Dar o primeiro passo não é fácil, é doloroso e muitas vezes um choque. Seu corpo sente falta do que estava acostumado a comer e desencadeia reações que podem se refletir no seu comportamento. Eu particularmente fiquei mais stressada ainda e confesso, chorei sim por causa de comida. Pode parecer bobo, mas foi a forma que encontrei pra aliviar todas as tensões. Mas não se desespere, depois de um tempo o seu corpo acostuma com a nova rotina. 

Depois que você dá o primeiro passo e continua naquilo ali, isso começa a fazer parte de você. São escolhas que começam a acontecer naturalmente, basta você buscar e encontrar o seu ponto de equilíbrio. Se eu sei que tenho uma festa de aniversário durante a semana, não vou exagerar no final de semana, amo bolo de aniversário e não me privo mais dele. Não como uma mega fatia, mas um pedaço módico me satisfaz. 

Aprendi a hora certa de parar de comer. Eu sempre fui muito gulosa e comia mais do que aguentava e com a reeducação eu percebi que isso só me fazia mal, então perceber quando eu estava cheia foi um grande avanço. Saber a hora de parar é muito importante. 

Aprendi que cada pessoa é uma, cada corpo funciona de uma forma e que a gente deve respeitar os nossos limites e caminhar de acordo com o nosso metabolismo. Não adianta forçar nem se desesperar, tem que aceitar e trabalhar pra melhorar o que precisa ser melhorado. Eu me frustrei várias vezes com o pouco de quilos perdidos no final de cada mês, mas depois aprendi e percebi que o meu metabolismo é muito lento e isso em conjunto com as minhas inúmeras lesões (que me impedem de fazer atividades físicas de alto impacto) fazem com que eu emagreça mais devagar. Paciência. A estrada vai ser mais longa pra mim, tenho que saber lidar com isso sem endoidar. 

Ainda não emagreci tudo que quero (e preciso), mas to bem feliz com os 12kg eliminados desde o começo do meu processo e pretendo continuar emagrecendo de forma saudável, como deve ser. :) 

 

 

Vou continuar postando aqui no blog sobre a reeducação alimentar. Vai rolar uma mudança no plano alimentar e conto aqui quando ele chegar.

You Might Also Like...

6 Comments

  • Reply
    Vy
    15 de fevereiro de 2016 at 6:09 pm

    Cada corpo é um corpo, até os cientistas sabem… Inclusive, viu um estudo israelense sobre a diferença do indíce gilcêmico nas pessoas e as bactérias nos nossos intestinos? Segundo eles, essa é a tal da diferença entre os corpos e entender como cada um funciona melhor seria a chave pra uma saúde melhor. As vezes não importa o quão saudável pareça sua alimentação, se não for a ideal pro seu corpo, ela não faz o efeito que deveria. Mas a melhor parte é que você pode remodelar esse sistema pra funcionar melhor com comidas melhores. Não sei quanto tempo isso demora pra se popularizar, mas achei muito interessante e faz muito sentido!

    Por hora, comer saudável não faz mal e a gente faz o que pode pra viver melhor, né? Realmente, se reeducar requer muita força de vontade e entender que só a gente pode fazer o bem pra nós mesmos ;)

    • Reply
      Nary
      15 de fevereiro de 2016 at 7:07 pm

      Menina não sabia desse estudo não, muito interessante. Vou procurar pra passar pra minha nutricionista, ela tá sempre estudando e tals. :)
      Acho que aprender e entender que cada corpo funciona de forma diferente é uma das chaves pra aceitar o tempo que o corpo vai responder na reeducação alimentar porque pra quem está no processo ver gente emagrecendo muito mais “rápido” que você é frustrante. Mas eu já estou bem mais consciente disso, ainda bem :)

      • Reply
        Vy
        16 de fevereiro de 2016 at 11:14 am

        Não vou lembrar mesmo onde eu li a matéria. Talvez na Glamour UK? Ou pode ter sido num link perdido no fb, mas procure que vale a pena a leitura e a reflexão!

        • Reply
          Nary
          17 de fevereiro de 2016 at 10:33 am

          Vou procurar!! :D

  • Reply
    Bela
    15 de fevereiro de 2016 at 8:17 pm

    Eu perdi 27kg. Acabei engordando 8 mas pq voltei a curtir a vida.
    Independente de quanto tempo vai demorar, a vida vai passar e devemos tomar conta de nós mesmos.

  • Reply
    Lívia
    17 de fevereiro de 2016 at 12:38 pm

    Há muito tempo atrás quando me reeduquei foi um choque muito grande. Na primeira semana eliminei 3,5kg porque cortei tudo de tranqueira, né? Depois fui ficando mais relaxada e tals. A questão é bem o que você colocou: nós somos responsáveis pelas nossas decisões, né? Não dá pra ficar se culpando depois..

Deixe uma resposta para Lívia Cancel Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.