Entretenimento Archives | Chat Feminino
Por Categoria

Entretenimento

Música

Lollapalooza 2017: valeu a pena ter ido?

Depois de dois dias intensos de shows e muita caminhada, vim aqui contar tudo que achei do Lollapalooza 2017, meu primeiro ano no festival. Será que valeu a pena ter ido? Vem comigo que conto tudo que vivi nesses dois dias malucos!

Lollapalooza Brasil 2017

O Transporte

Existiam várias formas de chegar no autódromo de Interlagos, mas eu e minhas primas decidimos ir de Uber e confesso que foi uma decisão boa e ruim ao mesmo tempo. No sábado pegamos um trânsito infernal e demoramos muito pra chegar, além do motorista ter deixado a gente super longe da entrada e ainda tivemos que caminhar uns 25 minutos pra entrar na fila do portão 8 e quem conhece sabe, da entrada até os palcos é uma pernada grande. Enfim, chegamos mega cansadas no show do Cage The Elephant. Na volta tentamos pegar um cabify mas não rolou e pegamos uber de novo, aproveitei, peguei o telefone da motorista e no domingo fomos e voltamos com ela, bem melhor. ;)

Acho que combinar com um motorista é melhor, se você não quiser pegar o combo metrô + trem pra chegar em Interlagos, ficou bem mais cômodo pra gente no domingo e demorou bem menos!

Dói tudo mas hoje tem The Weeknd, nada mais importa! #lollapalooza2017 #lollapaloozabr #lollapalooza #lollabr #naryviaja

Uma publicação compartilhada por Blog Chat Feminino (@chatfeminino) em

 

Interlagos

Meldels, como Interlagos é longe e como é grande. Achei dois pontos bem negativos. Você demora demais pra ir e pra voltar e demora muito lá dentro pra se deslocar de um palco pra outro, apesar de ser tudo sinalizado e você ganhar um mapinha na entrada, tinha pra quê ser tão longe? No sábado eu nem fui no palco Ônix, o último, porque estava com as pernas super doloridas da andada gigante que demos pra entrar. Eu entendo que os palcos serem distantes uns dos outros faz com que o som dos shows não vaze mas não dava pra eles serem mais perto não?!

A pulseira Axe Cashless e as filas

Esse ano foi o primeiro ano da pulseira Axe Cashless, que era a entrada do festival e a pulseira que você carregava com dinheiro para comprar qualquer coisa do festival, desde uma água até uma camiseta no Lolla Market. Achei a ideia bem interessante e não tive problemas na entrada, mas quando fui fazer a primeira compra em um dos ambulantes, não consegui porque tinha colocado dinheiro via internet (por orientação do próprio site do festival) e a primeira compra tinha que ser no bar, achei sem lógica. As filas estavam enormes no sábado e as pessoas pegavam até 4 chopps de uma vez pra não enfrentar a fila novamente. No domingo as filas estavam menores (eu tive a impressão de ter até mais gente por lá mas disseram que tinha menos, enfim) e até conseguimos comer batata frita. No sábado eu comi doritos que tinha levado na bolsa, a salvação. rs

Lolla is love ❤ #lollapaloozabr #lollapalooza2017 #naryviaja #lollapalooza

Uma publicação compartilhada por Blog Chat Feminino (@chatfeminino) em

 

Os shows

Finalmente os shows né? A razão do festival acontecer. Vou fazer uma lista do que vi e o que achei de cada um, pra ficar mais objetivo. Lembrando que tudo é bem de acordo com meu gosto pessoal.

Cage the elephant: Nem conhecia a banda direito mas minha prima queria muito ver e fomos, achei ótimo! Que cantor mais maluco da vida, subiu lá nas estruturas de metal, se jogou na galera, passou até do tempo de show previsto pra eles mas estava tão divertido que deixaram eles terminarem o set list. Me surpreendeu e gostei demais!

Criolo: Já conhecia Criolo e já tinha ido em um show dele e esse do Lolla foi maravilhoso como sempre. Com discurso anti cultura do estupro e anti racismo, ele levantou a galera com as músicas em forma de protesto e toda maravilhosidade que lhe cabe. Foi pra mim o melhor show do sábado. Arrepiante, emocionante. Amei mesmo.

Tove Lo: Conhecia algumas músicas da Tove Lo e curti bem o show, achei divertido e ela tem uma presença de palco bem massa. Claro que o combo Cool girl + Habits pra encerrar a apresentação fez a galera (eu inclusa) ir ao delírio.

Chainsmokers: Foi tudo diferente do que eu pensava, não sabia que a dupla era de Djs e achei até interessante. Não ficamos até o fim, mas até que curti, especialmente quando rolou um pedacinho de Shape of You do Ed Sheeran. <3 Ah, os efeitos de luz do palco são bem legais, curti.

Duran Duran: Não sou a maior fã do Duran Duran mas o show deles é muito legal! Achei triste só de ser numa hora meio ingrata, 16h30, tava um calor meio bad, mas deu pra relevar. rs

Two Door Cinema Club: Eu já tinha ouvido algumas músicas da banda mas minha prima queria ir demais vê-los, confesso que achei o show muuuuuito ruim. Minha nossa que coisa chata. Tanto que ouvi umas cinco músicas e vazei pro palco Ônix pra esperar The Weeknd.

The Weeknd: ME-LHOR SHOW DO LOLLA!!!!!!!!! <3 Fui especialmente para vê-lo e foi tudo que eu esperava e mais! Ele conseguiu reunir os hits do momento (Starboy, False Alarm e I Feel It Coming) com músicas mais antigas como Often. Achei incrível, setlist perfeito e animação do começo ao fim. Amei amei amei amei!

I’m a motherfucker starboy. #lollabr #lollapalooza #lollapalooza2017 #theweeknd

Uma publicação compartilhada por Blog Chat Feminino (@chatfeminino) em

The Strokes: Quando a banda veio no Planeta Terra em 2000 e alguma coisa (não lembro mais) estava em SP e não consegui ingressos, fiquei super triste e achei que fosse compensar nesse show do Lolla, mas infelizmente não. O show foi bem sem sal e a banda parava do nada por alguns minutos. Achei uó e fui dar rolé pelo festival pois não sou obrigada. rs

Mas e aí, valeu a pena?

Olha, valeu sim! Apesar de todos os pesares (meus pés seguem doendo até hoje #velhices), achei tudo muito divertido. Foram dois dias bem diferentes, nunca tinha ido num festival do porte do Lolla e quem sabe em 2018 estou de volta. ;)

 

Beijinhos!

Siga nossas Redes Sociais ⇒ Instagram  Twitter | Facebook

 

Entretenimento

Musical Les Misérables em São Paulo

No último final de semana estive em São Paulo para ver o Lollapalooza mas aproveitei e fui conferir o musical Les Misérables em cartaz no Teatro Renault e saí tão encantada que vim escrever sobre esse musical incrível!

Les Mis é um musical baseado no romance de Victor Hugo e escrito por Alain Boublil e Claude-Michel Schönberg. A adaptação já ganhou mais de 120 prêmios e foi visto por mais de 70 milhões de pessoas em 44 países. Ele está em cartaz no Brasil desde março e antes de falar sobre o musical já adianto, se você puder ir, vá!

Les Misérables

Foto: Divulgação/TimeForFun

Les Mis fala de amor, de revolução, de guerra e de superação, não vou me alongar muito na história pra o post não ficar enorme, mas aqui tem explicado bem direitinho o primeiro e o segundo ato. É uma história realmente envolvente e emocionante que faz você refletir sobre a liberdade e revolução.

São 2h40 de um espetáculo intenso e maravilhoso! Eu pude ver um espetáculo da Broadway em NY (falei sobre ele aqui) e confesso que estava apreensiva com as adaptações das músicas e também as transições de palco, iluminação e pequenos detalhes de cena que deixam tudo mais interessante e olha, a versão brasileira está de parabéns!


Tudo está redondíssimo e impecável, os atores conseguem passar uma emoção incrível com as músicas e envolve demais a plateia. Não conseguia desgrudar os olhos do palco. A iluminação e as transições de palco são maravilhosas, você pisca e o cenário já mudou, tudo super rápido e com aquela mágica que faz você entrar na história sabe?

Sobre as versões das músicas em português achei todas ótimas, traduziram o sentimento das originais sem perder a essência da mensagem e o sentimento que cada uma tem. E musical com orquestra ao vivo é amor né? Deixa tudo mais lindo e encantador. <3

Só uma coisa, o ator que faz Javert é MARAVILHOSO!!!!!!!!!!

Se você puder ir, vá. Vai ficar em cartaz até 30 de Julho. ;) Eu assisti do balcão e consegui ver super bem, valeu a pena! E ah, 2h40 passam voando, você nem sente!

Les Misérables

Preço R$25.00 a R$330.00

Data 10 Mar-30 Jul
Quintas e Sextas, às 21h | Sábados, às 16h e 21h | Domingos, às 15h e 20h

Telefone (11) 2846-6060
Vendas: T4F

 

Beijinhos!

Siga nossas Redes Sociais ⇒ Instagram  Twitter | Facebook

Cinema

[Cinema] – La La Land – Cantando Estações

Eu não sabia nem da existência de La La Land – Cantando Estações, até chegar o Globo de Ouro e premiar o filme com sete estatuas, das sete que ele concorria, inclusive melhor longa na categoria comédia ou musical. Com esses prêmios todos e uma promessa de muitos Oscars, minha curiosidade foi atiçada pra correr pro cinema, especialmente porque é um musical. Então, assim que estreou no cinema aqui em Natal, ontem, eu fui assistir e vim contar pra vocês o que achei do filme.

La La Land - Cantando Estações

Antes de qualquer coisa, La La Land é um musical, se você não gosta, pode ser que nem curta muito o filme, mas antes de vir com preconceitos, termina de ler o texto aqui que te dou mais razões pra você ir ao cinema curtir o filme. ;)

Hollywood é a terra dos sonhos e do idealismo artístico dos Estados Unidos e é ela o pano de fundo para o filme, que conta a história de Mia (Emma Stone) e Sebastian (Ryan Gosling). Ela trabalha em uma cafeteria nos estúdios da Warner e sonha em ser atriz, ele trabalha em bares tocando piano e quer abrir um bar de Jazz. Ambos se encontram, se apaixonam e tentam buscar seus sonhos e manter o relacionamento.

La La Land

Mia e Seb são apaixonantes. A sintonia, a emoção e a história dos dois é muito bonita, cantada com amor e melodias que remetem à Old Hollywood e o glamour dos musicais antigos. Tudo no filme nos traz uma aura de emoção e saudosismo que transparecem na tela a cada nota tocada e cada palavra dita. A fotografia e o figurino deixam o filme com um tom poético muito bonito.

La La Land é uma ode à Hollywood e aos musicais, uma homenagem à esse gênero que muitas pessoas acham datado, mas que ainda traz brilho e alegria pros espectadores. Por aproximadamente duas horas você mergulha na cidade das estrelas e torce fervorosamente pelo casal protagonista, que aliás, possui uma química indiscutivelmente em cena.

O filme é um musical, então, vamos falar de música. O Jazz, aquele som inebriante que enche as veias e os olhos está impregnado no filme e é maravilhoso se apaixonar perdidamente pelo compasso descompassado dos instrumentos. A trilha sonora é uma delícia de ouvir e a música tema, City of Stars é linda:

Se quiser ouvir a trilha sonora, tem completa no spotify:

La La Land é romântico, arrebatador e lindo. Vale a pena assistir. <3

La La Land – Trailer

Não vou contar o conflito nem o desenrolar do filme, mas deixo aqui meu mais sincero recado: vá ao cinema que o filme é lindo demais! <3

Beijinhos

Siga nossas Redes Sociais ⇒ Instagram  Twitter | Facebook

Seriado

5 seriados para assistir nas férias

Tá de férias e não sabe o que fazer com seu tempo livre? No post de hoje trago 5 seriados para você assistir nas férias e aproveitar as horas de descanso só curtindo. Mas se você é como eu e não está de férias, dá pra assistir tranquilamente também nos finais de semana ou pós expediente. Separei séries bem divertidas pra você curtir muito. ;)

5 séries para assistir nas férias

Grace and Frankie

Grace and Frankie

Duas sessentonas que descobrem que os maridos são gays e são ‘obrigadas’ a viver juntas. Esse é o mote de Grace and Frankie, que eu até já falei sobre aqui no blog e recomendo muito!!! As piadas são engraçadas, o seriado é bem curtinho e tenho certeza que você vai amar. ;) A produção é da Netflix e ela tem duas temporadas com treze episódios cada.

Stranger Things

Stranger Things

Acho que foi a série mais comentada de 2016, muita gente amou o hype em torno dos anos 90 e Stranger Things veio nesse embalo. Um menino se perde e seus três melhores amigos começam a procurar por ele, nesse meio tempo, coisas bem estranhas começam a acontecer na cidade e você acaba ficando bem envolvido na trama, querendo saber o que acontece e se o menino vai realmente aparecer. Confesso que demorei a ver porque tanta gente ficava falando que eu peguei abuso dela, mas se você for ver sem nenhuma expectativa, vai curtir sim. O bom? Só tem oito episódios a temporada disponível na Netflix.

Fuller House

Fuller House

Se você, como eu, cresceu nos anos 90, provavelmente assistiu Full House, mais conhecida por aqui como Três é Demais. Fuller House é um spin off da Netflix do seriado dos anos 90. Ao invés de três homens cuidando da casa, agora são três mulheres: DJ, Steph e Kimmy. A série é repleta de nostalgia e memórias do primeiro seriado. Eles tem duas temporadas e é uma delícia de assistir! Inclusive se você quiser saber mais sobre a série, também falei sobre aqui no blog.

Jane The Virgin

Jane The Virgin

Não sei como eu ainda não sentei pra escrever melhor sobre Jane The Virgin, a melhor descoberta seriadística (?!) de 2016 na minha vida. Jane The Virgin é uma novela mexicana que se passa em Miami em forma de seriado. Jane, que é virgem, engravida por acidente, sim, ainda virgem e vê sua vida virar de cabeça pra baixo. Não vou ficar spoilando as coisas mas a série é extremamente engraçada e ainda tem uma vibe meio policial. De todos indicados aqui, ele é o maior seriado. Atualmente está na terceira temporada e as duas primeiras tem mais de 20 episódios cada, mas vale a pena cada minuto gasto assistindo essa série, vai por mim!

Unbreakable Kimmy Schmidt

Unbreakable Kimmy Schmidt

Já falei de Kimmy aqui também no blog e apesar de não ter amado o começo, Kimmy se transforma numa série muito delicinha de assistir! Ela é tão engraçada e tão lesa que você acaba amando. Kimmy passou 15 anos presa em um bunker achando que o mundo tinha acabado e quando ela é resgatada, vai morar em NY e tentar entender a vida. É aquele seriado que se der, você assiste uma temporada inteira em um dia. Amo!!!

Tem alguma série que merecia ser contemplada nesse post? Conta aqui!

Beijinhos

Siga nossas Redes Sociais ⇒ Instagram  Twitter | Facebook

5 séries para assistir nas férias

 

Comportamento, Seriado

Gilmore Girls: Um ano para recordar

Tanto eu quanto a Anne somos fãs de Gilmore Girls e semana passada a Netflix lançou um revival da série chamado “Um ano para recordar” e é sobre esse revival que falaremos aqui hoje. Aviso logo que o post está cheio de spoilers, se você ainda não assistiu, leia por sua conta e risco. ;)

gilmore-girls-winter-alexis-bledel-lauren-graham-netflix-horizontal-2016

Deixamos Stars Hollow em 2007. Rory estava formada em jornalismo pela Yale, tinha acabado de recusar o pedido de casamento de Logan (burra, diga-se de passagem #TeamLogan) e não tinha passado no estágio/emprego do New York Times e estava indo trabalhar na campanha de Obama. Lorelai, estava com Luke, #finalmente #amémirmãos, tinha aberto a Dragonfly com sua amiga Sookie e tudo estava bem e feliz.

Nove anos depois, muitas perguntas ficaram no ar. Seria Rory uma jornalista famosa maravilhosa? Lorelai e Luke continuariam juntos? E Emily? E SookieMuitas perguntas, muitas dúvidas e muita ansiedade para o dia 25 de novembro e os quatro famigerados episódios de 1h30 de duração.

 

Aí o que acontece? Rory com 32 anos e frustrada profissionalmente, falida, stressada, sem rumo e burra, eta menina burra. Ela recebe algumas oportunidades de emprego e apenas esnoba, ficando fixa em uma possível entrevista de emprego com a Condé Nast (grupo internacional de publicação de revistas). Claro que quando dá tudo errado na tal reunião, ela volta atrás pra entrevista com o site que ficava em seu pé e fuen, acaba sendo tudo uma bosta. Mas isso é o de menos, Rory apenas tem um caso com quem? Isso, com Logan. Um caso, pois ela namora um pamonha mais sem sal que comida de hipertenso e Logan tá noivo de uma moça que nem aparece no seriado.

Meldels porque tão demente?

 

Lorelai está sempre completamente louca, com Sookie fora da Dragonfly (acho que rolou isso no roteiro porque a agenda da Melissa McCarthy era bem cheia e não deu pra gravar quase nada, aliás, que triste isso) ela enxotava to-dos os chefs que iam fazer seus restaurantes pop-up na pousada. Ah, se você assiste Food Network identificou a maioria dos chefs citados e deu pulinhos quando a Rachel Ray apareceu. heh

E o Luke, bem, estava ranzinza como sempre, trabalhando no Luke’s e morando com a Lorelai <3 Aliás, ele foi o personagem que eu mais curti ver no revival, adoro Luke e as chatices dele.

Os quatro episódios foram divididos pelas estações do ano, ou seja, cada episódio englobava três meses. O episódio de inverno começou e toda aquela nostalgia voltou, com as garotas Gilmore andando pela cidade, fazendo o tour das novidades do local. <3 Muito amor! Aliás, Lauren Grahan não envelheceu na-da. #invejas 

O revival conseguiu juntar quase todos os personagens, fiquei incrível com isso. Teve Ms Patty, Kirk e toda a trupe da cidade. Teve Logan, Jess, Michel, Dean, Emily, Chris e até o pai do Logan aparece. É tipo reunião de escola com todas as pessoas legais ali juntas. <3

Nessa temporada a gente percebe o quanto Emily é a melhor garota Gilmore, o quanto ela é foda e completamente maravilhosa, apesar de todos os pesares. Aliás, é bem triste a cena do velório do Richard :~  (o ator morreu em 2014).

No caso, os quatro episódios são muito bons mesmo, eu fiquei super feliz e nostálgica vendo, mas o final me deixou super decepcionada. Se você acompanhou GG na época que a série passava, soube que os criadores da série Amy Sherman-Palladino e Dan Palladino  não fizeram a sétima temporada e o final não foi bem como a Amy queria, com as quatro palavras finais que ela tinha programado o final de Gilmore Girls. Inclusive ela disse que o revival fecharia a série como ela tinha planejado acabar em 2007. Estava todo mundo ansioso pra saber que palavras eram essas e no final, depois de Lorelai ter casado com o Luke em uma das cenas mais lindas do seriado todo, estão Lorelai e Rory sentadas no gazebo da cidade e segue o diálogo:

“Mãe”, diz Rory.

“Sim”, responde Lorelai.

“Estou grávida.”

E fim. E acaba!!!!!!!!! E eu fiquei um tempão xingando a tv por isso!!! MELDELS PRA QUE ISSO?

giphy-14

Eu queria um fechamento, um encerramento de ciclo e não um eterno retorno. Rory grávida de Logan (sim, só poderia ser dele) e Jess na vida dela como o Luke. Inclusive, Jess teve o maior crescimento em toda a série, o personagem dele evoluiu, passou de um rebelde sem causa para um cara centrado maravilhoso mentor da Rory. Eu fiquei querendo outra temporada, sim! Vai ter? Não sabemos.

O que parece é que a Rory vai repetir a história da Lorelai, vai criar o filho sozinha e o Luke da vida dela é o Jess. Eu gostei disso? Não. Mas o revival é uma delícia de assistir, o que fode é esse final mesmo. De resto, É Gilmore Girls, é amor! <3

Mas ah, tivemos pontos altos na série tá?

  • A cena com a música dos Beatles na versão de Across the Universe
  • O casamento de Lorelai e Luke
  • Rory finalizando o livro sobre a história dela e da mãe
  • Lorelai ligando pra Emily e contando o melhor momento dela com o pai
  • Paris fechando a porta do banheiro com o pé

Você amou o final? Odiou? Conta nos comentários!

Siga nossas Redes Sociais ⇒ Instagram  Twitter | Facebook | Snapchat: naryleandro