Suzana Macêdo
Todos os post por

Suzana Macêdo

Saúde

O famigerado Whole30

Suzana Macêdo é psicóloga a crossfitter. Recentemente emagreceu 10kg com o projeto whole30 e conta um pouquinho da sua experiência no texto abaixo. ;)

 

Oi Suzana,

Conseguimos, que incrível não é? Na realidade nem você acreditava que fosse capaz quando decidiu fazer algo como o whole30, afinal, a alimentação sempre foi algo que te consumiu de forma obsessiva e reconfortante, decidir que iria ficar 30 (longos) dias cortando todos os alimentos que eram deliciosos e reconfortantes foi uma decisão muito difícil.

whole30

Fazer uma mudança de vida não e fácil, enganas-e quem pensa que irá acordar pela manhã e nesse momento sua cabeça vai estar completamente preparada para os seus planos. Nossos mecanismos de defesa e auto sabotagem são muito mais fortes do que possamos imaginar, passamos a vida inteira nos sabotando e pensando que a forma como estamos fazendo será o melhor para nossa vida, mas lá no fundo sabemos que tem uma voz que fala que esse pensamento está equivocado, porém essa voz costuma ser baixa e precisamos nos concentrar para conseguir ouvi-la e por vezes quando conseguimos não estamos preparados para ouvir o que ela nos tem a dizer e ignoramos.

Com você, essa voz tentou muitas vezes te chamar, mas você insistia em fingir que não estava ouvindo nada e preferia fingir que não havia um chamado da sua saúde e do seu corpo para ser “melhor”, mas ao mesmo tempo eu me questionava: Eu preciso mesmo ser “magra” para ser bem aceita? Preciso ser “magra” para ser feliz ou mesmo as pessoas me aceitarem? Eram questionamentos válidos que eu preferia responder que não, se as pessoas queria estar perto de mim teriam que me aceitar da forma como eu sou.

Mas em um daqueles belos dias em que você se olha no espelho eu me questionei: Mas Suzana, será que você se aceita do jeito que você está? O que lhe reflete no espelho é algo que está te agradando? E foi nesse momento onde eu dei uma volta de 360 graus observando meu corpo eu percebi que aquilo não era quem eu queria ser, mas como poderia mudar se eu era tão apaixonada (para tentar evitar a palavra compulsiva nesse texto) por comida? Como eu iria fazer para desassociar da sensação que a comida me dava? Então me lembrei que quando eu entrei no crossfit algumas pessoas começaram a fazer um programa chamado whole30 que era constituído de ficar 30 dias livre de açúcar, álcool, cereais, leguminosas e laticínios, eu sei, parece que tira toda a comida possível do mundo mas o susto inicial é completamente normal pois eu mesma me assustei, não apenas me assustei como também considerei todas as pessoas que estavam envolvidas no programa como loucas, mal sabia eu que iria chegar minha vez.

Antes e Depois do Whole30

No momento em que você decidiu realmente fazer o whole30 não foi do nada, você sabia que não precisava de uma dieta, o que realmente precisava era um programa que te mostrasse que poderia sim viver sem todos aqueles alimentos que tanto amava e para isso nada melhor do que um programa de desintoxicação e era exatamente isso que era oferecido no whole30.

Primeiro passo a ser feito depois da decisão era estudar sobre, me emprestaram o livro e eu o li, li antes de fazer o programa? Sim! Pois no meio do processo é normal ter pequenas dúvidas, mas ter o maior número de informações que você conseguir é ainda melhor, pois a dúvida enfraquece o processo e por isso é tão importante absorver tudo de informação que você puder.

Posso tomar café? Água de coco pode? E aquele chocolate feito de cacau? Todas as dúvidas do mundo aparecem e você precisa pesquisar antes de colocar o alimento na boca porque qualquer pequeno erro te faz voltar para o temido dia 01.
No final foram 30 dias de aprendizado de limites, controles e muita mudança. Com uma semana eu já ouvia as pessoas comentando que estava emagrecendo e me oferecendo os parabéns como se eu estivesse vencendo uma maratona de longos km, na verdade eu ouvia, mas, dava aquele sorriso envergonhado e dizia que “nada a ver”, porém quando chegava em casa, olhava no espelho e procurava o que as pessoas estavam falando, além disso os sintomas dos primeiros 10 dias são avassaladores, muito sono, muito enjôo, algumas dores de cabeça e o rendimento de treino (que ainda não é bom) caindo de uma forma preocupante, mas como e tinha lido no livro todos os sintomas eram esperados (aqui a importância de ler antes de começar pois tudo se transforma em gatilho para querer desistir).

Antes e depois Whole30 - Suzana

Levantava da cama pensando no que comer e dormia pensando no que iria comer no outro dia, minha rotina rodava ao redor de organização e preparação para todas as situações alimentares que poderiam ocorrer, pois qualquer vacilo me levaria ao “descontrole”, passamos por coffee break no trabalho, aquele bom cafezinho no meio do dia, festa de aniversário de criança, baladas e passeio para lanchar com as amigas, resistimos a tudo e para as coisas mais difíceis levava minha própria comida em marmitas para poder compartilhar com as pessoas. Eu sei que tudo isso parece muito complicado, mas com um tico de força de vontade não é!
Nos últimos 10 dias as alimentações iam ficando mais fáceis, já sabíamos como comer e o que comer dentro do limite da necessidade, mantinha a rotina andando com marmitas e com as pessoas aprendendo a respeitar que eu estava em um processo pessoal. Lembra o quanto foi importante ter pessoas para te apoiar? Você irá precisar de respeito, de limite, de compreensão, de incentivo, de pessoas que acima de qualquer motivo torcem por você. E tivemos tudo isso e foi incrível vê que as pessoas te apoiam, te elogiam… E elogiam muito! Eu acho que cada elogio fortalece sua autoestima para ter mais força para continuar com todo o processo que não é fácil.
Onde foi que eu encontrei essa força? Na verdade essa força vem de dentro e somente de lá, não adianta esperar esse estímulo de fora. O que vem de fora são exemplos que te motivam e motivação é ótima, mas a força e decisão são suas e apenas você pode entender esse momento em que recebe um click mental de que precisa mudar, ele vem de dentro e te balança todas as estruturas, como um grito interno que somente será escutado na sua cabeça, esse grito é ensurdecedor e não é possível desprezá-lo pois é ensurdecedor, vem de uma vontade de mudança, vem daquele dia em que nada está bom e que você percebe que nada vai melhorar enquanto algo não mudar.

Mas Suzana será que eu preciso ser magra para ser feliz? CLARO QUE NÃO!

Emagrecer não muda a pessoa que você é, mas fará com que sinta aquela imagem refletida que te perturbava melhorando e não existe sensação melhor do que sentir que somos capazes de construir coisas novas, percepções novas, corpos novos, autoestima nova…

Lembre que você é capaz, não apenas de emagrecer, mas de fazer todas aquelas mudanças que tanto desejou a vida inteira. Somos compatíveis com nossos planos e projetos, apenas precisamos colocar em prática e acreditar.

whole30