Amanda Faia
Todos os post por

Amanda Faia

Cabelos

Vamos falar de curvatura dos fios do cabelo?

A Nary já falou aqui no Chat Feminino sobre cronograma capilar, deu dicas de produtos mara pros fios e máscaras baratinhas de hidratação, nutrição (e umectação) e reconstrução para ninguém reclamar que não tem dinheiro pra fazer, maaaaaas se você não souber a curvatura dos seus fios você pode não estar aproveitando 100% o que os produtos podem fazer por você, amiga!

Quanto mais a indústria se volta para o atual nicho de mercado bombado que são os cachos e crespos, mais produtos temos nas prateleiras e alguns deles são específicos para certas curvaturas. Então, é bacana você saber qual o tipo da sua cabeleira para poder mirar exatamente nos shampoos, condicionadores, máscaras e cremes para pentear para que você possa conseguir extrair o melhor resultado possível.

Curvatura dos fios do cabelo

A verdade é: seu cabelo nunca terá apenas um tipo de estrutura de fio. Já vi relatos de gente que possui até 4 tipos de curvaturas (tipo, a da nuca é um, no topo da cabeça que é o que mais recebe a ação das impurezas, outro e por aí vai). Então a regrinha é observar o que predomina. Eu, por exemplo, já identifiquei 3 curvaturas no meu cabelo, mas eu sou predominantemente 3A. E o que é isso? Então vem:

O tipo dos fios e suas subdivisões

Tipo 1 – LISO

no cabelo tipo liso, a curvatura da raiz às pontas, volume e o temido frizz são praticamente inexistentes.

Tipo 2 – ONDULADO:

os cabelos do Tipo 2 podem até parecer para muitos que são cabelos lisos, mas aqui já começam a surgir as primeiras ondas em formato “s” no comprimento e pontas só que a raiz ainda sem mantém lisa. O frizz já começa a dar as caras e é um tipo de cabelo super difícil de modelar. Por possuir ondas, há risco de ressecamento nas pontas. A partir de agora a gente subdivide os cabelos do jeitinho que a gente vê nos rótulos dos produtos. É só manter em mente: quanto mais próximo do A, mais próximo da categoria anterior desde a raiz. Mais próximo do C, mais próximo da próxima categoria.

Tipo 2A: ondulações super leves, pode até passar a impressão de fio liso, mas é possível ver que os fios não são 100% retos.
Tipo 2B: raiz lisa e se vê ondulações em “s” pela extensão dos fios até às pontas.
Tipo 2C: fios mais grossos, ainda de raiz lisa e com ondas em “s” mais marcadas, mas não chega a fazer o cacho.

Cuidados: quem é do Tipo 2 precisa se ligar muito na quantidade de produto para não pesar os fios. Se gosta de deixar as ondas mais marcadas, investir em gel, spray e mousse, sempre amassando para ativar as ondas.

Tipo 3 – CACHEADO:

o Tipo 3 possui cachos definidos e com tendência ao ressecamento já que quanto mais ondinhas e cachinhos, mais difícil a oleosidade natural da raiz chegar às pontas. Dizem que é o tipo mais “chatinho” de se lidar porque não tem uma definição por conta própria e risco de deixar aquele volumão sem forma.

Tipo 3A: cachos maiores, espaçados, alguns bem definidos já em formato de espiral. A raiz pode ser lisa.
Tipo 3B: cachos em espiral mais definidos (alguns mais fechados, outros mais abertos) por toda a extensão do cabelo. Raiz mais ondulada.
Tipo 3C: cachos em espirais fechados, definidos, mais grossos e bem próximos uns dos outros.

Cuidados: as cacheadas do Tipo 3 precisam dar atenção à nutrição dos fios já que devido aos cachos, a oleosidade natural não chega em toda a extensão dos fios. Recomenda-se a técnica da fitagem para ativar bem os cachos dando aquela definição que toda cacheada gosta. Lavagens 3x na semana são o ideal e, se possível, com shampoo sem sulfato (técnicas Low Poo/No Poo) para evitar ainda mais o ressecamento.

Tipo 4 – CRESPO:

o Tipo 4 são os cabelos crespos. Volumão e fragilidade são características visíveis já que tendem ao ressecamento pela dificuldade da oleosidade natural chegar ao comprimento do cabelo.

Tipo 4A: fios bem enroladinhos desde a raiz com cachos apertados. Finos e sensíveis.
Tipo 4B: fios enroladinhos desde a raiz com cachos beeeeem pequeninos e volumão.
Top 4C: fios já em padrão “z”, com cachos super estreitos, bem juntinhos e com encolhimento de até 75% do seu tamanho original.

Cuidados: como é o tipo que mais precisa de atenção no quesito ressecamento, aconselha-se a diminuir as lavagens e, assim como no Tipo 3, investir em shampoos sem sulfato (técnica Low Poo/No Poo). A técnica pé-poo, ou a pré- lavagem, também é recomendada.

Entendendo visualmente

A Nary chegou a postar um álbum no Instagram para mostrar visualmente os tipos de curvatura. Saca só:

Pronto. Agora é hora de correr pro espelho, dar aquela olhada e chegar a um “diagnóstico”. Lembrando que se você está com cabelo detonado, sem forma, vai ser difícil definir seu tipo de curvatura. Se joga no cronograma capilar com produtos liberados para todos os tipos de fios e depois volte a observar os fios.

Fonte: Cacheia
Foto: Shutterstock

Curvatura dos fios do cabelo
Cabelos

10 erros que você pode estar cometendo ao lavar os cabelos

Não adianta querer um cabelão bonito e arrumado se a rotina é entrar no banho, tacar shampoo e condicionador, enxaguar e secar. Como qualquer coisa nessa vida, é preciso se dedicar um pouquinho para que algo saia como a gente quer. E assim é o cuidado com os fios dentro e fora do box.

A gente não está propondo que você gaste horrores de dinheiro, de tempo e ficando neurótica com o que pode e o que não pode fazer, mas detalhes super simples incorporados ao seu dia a dia já fazem uma enorme diferença. Tipo: será que você não comete alguns desses errinhos aí embaixo? Se sim, eles podem ser o motivo pelo qual os seus fios não se comportam como você gostaria. Que tal prestar atenção?

Erros ao lavar o cabelo

1- Água muito quente ou muito gelada

A gente sabe que água quente faz mal para os fios do cabelo, mas teimamos, não é? A água quente deixa os fios mais sensíveis e com as cutículas super abertas. Além disso, desregula o funcionamento das glândulas responsáveis por liberar a oleosidade natural. O resultado são fios ásperos, sem movimento, ressecados com tendência a quebra e oleosos. No entanto, não acredite que desligar completamente a água quente irá lhe dar o fio dos deuses. A água extremamente gelada não deixa que as cutículas se abram para receber o tratamento.

Então a dica é moderação: se você não abre mão de um banho quentinho, deixe a água morna para a lavagem e esfrie um ainda mais depois do uso do condicionador para ajudar a fechar bem as cutículas dilatadas. Nem 8, nem 80.

2- Usar produtos não apropriados para o seu tipo de cabelo

Comprar qualquer produto certamente não irá fazer bem aos seus fios. Parece besteira, mas tem gente que não presta atenção e compra pelo cheiro ou porque a amiga recomendou. Mas pense bem: se você tem um cabelo oleoso e está usando um shampoo para cabelos mistos ou secos, certamente a sua oleosidade excessiva não está sendo sanada. Assim como cabelos secos que são tratados com produtos para fios mistos, por exemplo.

E não estamos falando apenas de linhas voltadas para secos ou oleosos etc. Cabelos lisos correm o risco de quebrar com mais facilidade e sentem mais se usarmos produtos em excesso, os cacheados e crespos tem maior tendência ao ressecamento, os alisados quimicamente são super sensíveis. Saber a necessidade do cabelo é o pulo do gato. Para isso, basta prestar um pouco atenção. Adotar um cronograma capilar te ajudará bastante a não esquecer o básico.

3- Ordem dos produtos

Shampoo, condicionador, tratamento, correto? ERRADO! Para você nunca mais errar na ordem pense que o shampoo abre suas cutículas e retira toda a impureza do dia a dia, o tratamento vai penetrar no fio com as cutículas abertas e absorver todo o benefício da máscara e o condicionador vai selar essas cutículas mantendo o tratamento absorvido pelo cabelo. ;)

4- Passar shampoo no comprimento

Cabelo é célula morta então por que passar shampoo no comprimento e pontas? Ainda mais se os fios sofrerem de ressecamento, falta de brilho e pontas duplas? Shampoo no couro cabeludo apenas, amiga! E não adianta tacar lá, esfregar e pronto. Massageie para que o shampoo possa retirar todas as impurezas sem agredir o couro cabeludo e leve a espuma formada delicadamente para o restante do cabelo – também sem esfregar. Retire todo o produto antes de passar para a próxima etapa. Lembrando que: para cabelos com tendência ao ressecamento o ideal é que seja feito o uso de shampoo sem sulfatos. Se você faz uso de shampoo com sulfato, não precisa se desesperar. Dilua o produto com um pouco de água antes da aplicação para minimizar o efeito do detergente.

5- Colocar as mãos direto no pote de máscaras

Você já tomou cuidado com a temperatura da água, comprou os produtos certos e passou o shampoo apenas na raiz, aí mete a mão no pote da sua máscara preferida. Péééé! Errado! Você sabia que o nosso suor e as bactérias presentes nas nossas mãos podem mudar a estrutura e pH de um produto? Dependendo do caso, o creme pode até oxidar e logicamente perder todo o seu efeito. Você já reparou que alguns cremes para o rosto vem já com uma mini-espátula? Então, o raciocínio é o mesmo para produtos de cabelo. Para a retirada do creme do potinho, o ideal é usar uma espátula ou até mesmo o cabo do seu pente. Ah, colheres de metal também são proibidas!

6- Condicionador na raiz

Grave aí: shampoo para a raiz, condicionador para comprimento e pontas. Usar condicionador no couro cabeludo pode deixar ele ainda mais oleoso e provocar descamação (alô caspas!). Se você possui cabelo oleoso, nem pensar né?

7- Esfregar o couro cabeludo

“Você responde bem quando alguém te aborda sacudindo?”. Eu ouvi isso de uma dermatologista sobre como a gente costuma agredir nosso couro cabeludo na hora do banho. Esfregar o shampoo com força ou até passar  unha na aplicação do shampoo pode machucar o couro cabeludo aumentando a produção de óleos. Movimentos circulares e suaves sempre, como uma massagem mesmo. Se mime!

8- Deixar resíduos

Sei que às vezes a gente está com pressa e não presta atenção nesses detalhes, mas você já reparou se retira bem um produto antes de aplicar outro nos seus fios? O acúmulo de resíduos pode deixar o cabelo opaco, sem vida, frágil (principalmente as pontas) e, claro, pode não permitir a entrada adequada de todos os óleos, águas e hidratantes que os produtos oferecem. Sabe aquela conversa de que o “cabelo se acostumou com alguns produtos”? Então, vem exatamente desse acúmulo. Os fios passam simplesmente a não responder mais aos cremes que você utiliza. Por isso se fala tanto no uso de shampoos antirresíduos a cada duas ou três semanas.

9- Esfregar a toalha nos fios

Confesso que essa é uma dica que até minha avó falava, mas a pressa é inimiga da perfeição, né? Acabou o banho, você tem que se arrumar, passa a toalha rapidinho e pronto. Pééé de novo. Errado! Esfregar a toalha e torcer os fios só deixa o cabelo mais fragilizado. O ideal é dar leves apertadinhas, sem esfregar, levantando a toalha entre um pedaço e outro do cabelo. Para as cacheadas/crespas que tem pavor de frizz, esqueça a toalha felpudinha. Use uma camiseta de algodão ou toalha de microfibra para secar os fios.

10- Dormir de cabelo molhado

Essa a gente sabe desde criança, né? Nossas mães e avós usavam o velho argumento de pegar uma gripe, mas depois de ler todo esse texto você deve ter percebido que os problemas de dormir com os fios molhados pode ir além. Molhados os fios estão no máximo da sua elasticidade então movimentos bruscos podem fazê-los se romper. Além disso, o contato abafado dos fios com o travesseiro ajuda a proliferar doenças alérgicas e seborreia, a famosa caspa. O cabelo demora 8 horas para secar por completo (incluindo o couro cabeludo) então dê preferência para a lavagem de manhã. Se não for possível e você tiver que lavá-lo à noite, inclua um protetor térmico na sua finalização e parta para o secador/difusor.

 

Fez ou faz algum desses errinhos? Que tal repará-los para ter sempre os fios saudáveis?!

10 erros que você poder estar cometendo ao lavar os cabelos
Culinária

Receita – Bolo integral de banana

O que fazer quando bate aquela vontade louca por doces e está todo mundo de dieta em casa e ainda tem um bebê de 1 ano e 2 meses que quer comer tudo o que você estiver comendo? Parte pro Google achar receitas menos gordas.

Essa foi minha saga numa tarde em que um cafezinho pedia encarecidamente para ser acompanhado de um bom pedaço de bolo. Com bananas suuuuper maduras (quase já passadas), busquei por uma receita integral e sem açúcar branco. Aí cheguei nessa aí: bolo de banana, integral, com açúcar mascavo e demerara.

bolo de banana integral

Ingredientes – Bolo integral de banana

• 4 bananas (usei duas grandes)
• 3 ovos
• 1/2 xícara de leite desnatado (medida de xícara padrão, 240ml)
• 1/2 xícara de óleo de milho
• 1/2 xícara de açúcar mascavo
• 1/2 xícara de açúcar demerara
• 1 xícara de farinha de trigo integral
• 1 xícara de aveia (usei a farinha aveia)
• 1 colher (sopa) de fermento
• Canela em pó a gosto para polvilhar as bananas
• Açúcar a gosto para polvilhar as bananas

Modo de preparo – Bolo integral de banana

Bata no liquidificador metade da porção de banana, os ovos, o leite e o óleo. Em outra tigela coloque a farinha de trigo, a aveia, os açúcares e o fermento todos bem peneirados para deixar o bolo soltinho, acrescente a mistura do liquidificador e mexa delicadamente só para misturar tudo de forma homogênea.
Para montar, coloque metade da mistura em uma forma untada e enfarinhada e cubra com o restante das bananas picadas.  Salpique com canela (se preferir) e cubra com o restante da massa.
Asse em forno pré-aquecido por cerca de 30 minutos a 180ºC ou até que você espete o bolo com um garfo e ele saia limpo.

O que achei

bolo integral de banana

Quem provou amou e quando eu disse que ele ainda era integral sem açúcar branco não acreditou. E para quem torce o nariz para o açúcar mascavo, pode fazer sem medo. A frutose da banana mascara o amargo do açúcar e fica super delicioso. Aprovado por todos aqui em casa – inclusive pelo pequeno que chorou quando acabou o pedaço! rs Mas não custa nada dizer que mesmo integral e sem açúcar branco, comer sempre com moderação!

Fonte: Receitas que amo

Bolo integral de banana
Cabelos

Cabelos cacheados: um bom corte é fundamental

Desde que resolvi assumir os cachos eu sabia que um bom corte, feito um bom profissional que entendesse de cabelos cacheados seria fundamental. Não que um bom corte nos fios lisos também não seja necessário, mas cachos precisam de um olhar de especialista não apenas para passar a tesoura, mas para te orientar como aproveitar ao máximo aquele novo visual com uma boa finalização, indicar produtos e principalmente como usá-los da maneira correta.

Bem, eu estava certa. Tanto que estava MUITO ansiosa para o meu corte. Seguindo a dica de várias colegas, parei em Nalva Melo. Primeiro que o salão dela é um convite para você entrar. Na verdade, ele é um salão café montado no coração da Ribeira, bem onde Natal nasceu e com uma decoração única. Frases de efeito e colagens nas paredes, algumas sem revestimento ou pintura. Você se sente peculiar assim que entra. Eu que adoro algo fora da caixinha já cheguei lá apaixonada.

Foto: divulgação

Além disso, Nalva trabalha, além de outras marcas, com a Deva Curl (não tô recebendo pra fazer a propaganda – eles nem precisam – mas qualquer coisa, tamos aí!) – A MARCA para cabelos cacheados e que tem na sua desenvolvedora a responsável pela criação das técnicas de Low Poo e No Poo. Ou seja: eu tinha que ir.

Sem atraso, sentei na cadeira, comecei a falar da minha transição às escondidas no coque durante gravidez/1º ano do bebê, que havia começado o cronograma capilar há pouco tempo, como estava fazendo o Low Poo e pronto. Ela havia terminado! Pensei de cara: “acabou? Ela só cortou isso? Não é possível!”. Jurava que algo tava errado, mas quem é doido de questionar o cabeleireiro, né? Lavagem, hidratação, fitagem, cabelinho e paciência no difusor. Cabelo seco, Nalva passou nas mãos um óleo para não criar atrito nos fios e com minha cabeça para baixo, soltou tudo para deixar bem bagunçado e com volume e eu me vi outra no espelho. Ela explicou que se eu quisesse um visual com cachos mais certinhos era só soltar menos os cachos após secagem.

No papo, Nalva ainda me reafirmou a importância de usar os produtos certos para cada tipo de cabelo, de cacho (sim, há curvaturas específicas, mas falo sobre isso na próxima oportunidade), como o shampoo com sulfato destrói seus fios e me ensinou uma fitagem super simples que resultou nisso aqui:

Nessa finalização não há gel nem gelatina. Na-da além de um bom leave-in resultando em fios maleáveis. Sobre a fitagem:

com os cabelos já lavados e hidratados (ou nutridos ou reconstruído) e encharcados (no nível pingando então de preferência faça isso dentro do box), separe o cabelo em partes, passe o leave-in/creme de pentear de sua preferência na mecha e vá enluvando todos os fios com o creme. Depois passe os dedos entre os fios como se sua mão fosse um pente de dentes largos e “penteie” o cabelo criando fitas (olhaí o nome fitagem!). Amasse o grupo de cabelo fitado para ativar o cacho e repita o processo mecha por mecha. Depois de finalizar, tire o excesso com uma toalha de microfibra ou até camisa de algodão (alô marido!). Aí é só secar e você está prontíssima.

Eu vou tentar fazer sozinha e depois conto para vocês lá no Instagram Stories se deu tudo certo.

Eu tô me sentindo a blogueirinha cacheada, sério! Nem com o frizz, que estava equivalente a aqueles fios ouriçados de experiências de estática em feira de ciência, eu tô me importando mais.  Como a mudança em um cabelo promove auto-estima, né? O que acharam?

 

cabelos cacheados corte
Cabelos

A redescoberta do cabelo natural

Olá! Sou Amanda Faia, 35 anos, jornalista, hiperativa, esposa, mãe e comadre da Nary. Há umas 3 semanas resolvi assumir meus cachos, meu balaio, meu querido fuá e dar um adeus à químicas alisantes e um “até a hora que eu quiser” à chapinha.

Cabelo natural

A Nary me convidou para contar um pouco de como está sendo esse processo de redescoberta para vocês. Redescoberta porque a última vez que eu estive de cachos soltos eu estava na faculdade e eu me formei no longínquo ano de 2003. Depois desse período, meu cabelo foi ruivo, loiro (e um alaranjado neste meio), com partes coloridas, curto, longo, alisado e/ou com ondas. Não digo que fiz de tudo porque sei que tem gente que judia muito mais que eu, mas posso dizer com certeza que ele já passou por muitos bocados.

Se você faz essa milacria toda no cabelo, mas cuida do bichinho, ele até resiste. O problema é quando você faz e não está nem aí. A verdade é que nunca fui muito vaidosa. Por preguiça mesmo e por estar sempre ocupada nunca parei para cuidar de mim e o que eu resolvia fazer tinha que ser rápido porque certeza que eu já estava atrasada para algum compromisso.

cabelos naturais transiçao capilar de Amanda Faia

Aí veio a gravidez em 2015 e o pouco que eu fazia pelo meu cabelo já não podia mais. Nada de química (nesta época havia abandonado a progressiva e estava apenas fazendo realinhamento), nada de descolorante e cor só se fosse com tinturas específicas. Resultado? Fui prendendo em um rabo de cavalo e tudo piorou muito depois de Gabriel nascer. Aí é que a gente não tem tempo mesmo (e eu achava antes que não tinha! Iludida!). O rabo de cavalo continuou e minha transição capilar foi literalmente presa. Sem química, os cachos voltaram a aparecer, mas assim que eles davam o ar da graça depois do banho, lá iam os fios para um coque no alto da cabeça novamente porque era mais prático, Gabriel não conseguia puxar e já era hora de cuidar do bebê de novo (e de mim nada).

Somando o 1 ano e 2 meses atual de Gabriel com os 9 meses da gravidez, posso dizer que praticamente passei dois anos com esse cabelo sem ver escova ou chapinha (porque você tá cansada demais para fazer ou sem tempo) e preso. Foi quando cansei!

Não é novidade que mãe se negligencia e depende da gente catar força não sei de onde e contar com a ajuda do parceiro para se achar novamente no meio da correria do dia-a-dia. Por mais que o bebê precise da sua atenção, você também precisa dedicar tempo à você. Tem mãe que consegue resolver isso relativamente rápido, eu só consegui força para me reencontrar 1 ano depois.

Mas então… fazer o que nesse cabelo? Voltar pra química eu não posso pois ainda estou amamentando. Hora de realmente assumir os cachos, mas do jeito que o cabelo está agora claramente não dá para ficar. Senão eu viro escrava novamente da chapinha.

Cabelo natural - Amanda Faia

Após dar aquela chorada básica a Nary e ela me inundar com posts aqui mesmo do blog sobre cronograma capilar, hidratação, nutrição, reconstrução, máscaras, umectação… resolvi dar chance a esse mundo novo. É novo sim e a “desculpa” que eu precisava para cuidar de mim! Dito isso, a partir de agora, vira e mexe, eu estarei aqui no Chat Feminino para a gente falar de cabelos, auto estima e o que diabo eu estou fazendo para tentar domar a juba. Espero que eu possa, de certa forma, ajudar outras a se jogar também. A se cuidar também. E a ver que a questão de “não ter tempo” depende muito mais da gente do que de fatores externos. Se a gente não fizer pela gente, quem vai fazer?

 

Foto: Shutterstock

 

cabelo natural